Shares

Conheça os alimentos antioxidantes

 

Aliados nos nossos pratos

___

Faça da fruta e dos legumes as suas armas secretas de beleza e bem-estar.

 

Morango: uma fruta antioxidante

É uma fruta pobre em calorias e rica em propriedades. O seu efeito antioxidante foi avaliado pela sua capacidade de neutralizar radicais livres de acordo com várias investigações científicas realizadas nos EUA. Estes radicais podem ser gerados nas próprias células como resultado da actividade metabólica ou de outras causas, como stress, tabaco, medicamentos, etc. Esta acção antioxidante deve-se ao seu conteúdo em vitamina C, bioflavonóides e antocianinas. São muito benéficos em casos de:

 

  • Arteriosclerose: por evitar o depósito de colesterol nas paredes das artérias, pela sua carência em gordura e sódio (inimigos da saúde arterial) por um lado e, pelo outro, pelo seu elevado conteúdo em potássio (evitando a hipertensão);

 

  • Por serem diuréticos ajudam a eliminar o excesso de ácido úrico;

 

  • Pela sua fibra facilitam o trânsito intestinal. Como facilitam a circulação venosa também ajudam em situações de hemorróidas. Devem ser evitados por quem tem reacções alérgicas aos morangos e também por pessoas que têm cálculos renais de tipo oxálico.

 

Curgete: suavizante do tubo digestivo

Um alimento comum e, ao mesmo tempo, desconhecido nas suas propriedades. É um alimento que sobressai pelas suas qualidades suavizantes para o aparelho digestivo e também tem uma acção diurética. É benéfica em casos de:

 

  • Gastrites, colites, cólon irritável, dispepsia;
  • Dietas de emagrecimento;
  • Problemas cardiovasculares.

 

Pode ser utilizada em sopas, estufada, salteada, assada e comida crua em saladas ou em patês.

 

 

Aipo: refrescante e tonificante do organismo

É um alimento que pode ser consumido cru (em saladas), em sumos com outros legumes ou cozinhado em sopas, estufados, salteados.  Por ser muito rico em sais minerais, ajuda a neutralizar o excesso de acidez no organismo, especialmente em casos de dietas muito ricas em carne. É muito importante o seu consumo em casos de:

 

  • Edemas (retenção de líquidos), cálculos renais, gota e ácido úrico, artrite;
  • Hipertensão;
  • Excesso de colesterol;
  • Diabetes – porque contém uma substância cuja acção é semelhante à insulina e faz descer o nível de açúcar no sangue (claro que não dispensa o tratamento que a pessoa costuma fazer para este problema).

 

Melão: uma fonte de água nutritiva

A percentagem hídrica do melão varia entre 90 a 95%, mas a sua ‘água’ é uma fonte riquíssima de sais minerais, como potássio, ferro e magnésio. É indicado para problemas de:

 

  • Afecções urinárias, pois facilita a acção depuradora dos rins. Em situações de insuficiência renal numa fase muito inicial manifestada com retenção de líquidos e dificuldade de urinar; em cálculos renais que sejam causados por ácido úrico, pois o melão, por ser alcalino ajuda a dissolver e eliminar os mesmos; nas infecções urinárias, pois ajuda a alcalinizar o meio ácido em que as bactérias proliferam;

 

  • Prisão de ventre crónica;

 

  • Estados de desidratação que acontecem em situações febris, sudação abundante ou diarreias causadas por gastroenterite.

 

Arandos: previne cistites

O sumo de arando exerce uma acção surpreendente sobre bactérias que causam infecções urinárias, como E. Coli e trabalha de duas formas:

 

  • Por um lado, impedem a aderência das bactérias às células que revestem o interior da bexiga. É esta aderência que causa recidivas constantes após o tratamento com antibióticos;

 

  • Por outro lado, não provocam resistência das bactérias, como acontece com os antibióticos, dificultando situações posteriores. Deve ser tomado um sumo de arando fresco todos os dias (300ml) durante 6 meses, sobretudo, em situações de infecções urinárias repetidas. Também são muito benéficos em situações de diarreias infecciosas, pois ajudam a normalizar a flora intestinal e também evitam flatulência. As antocianinas dos arandos também exercem uma acção protectora dos vasos capilares, reduzem a inflamação e inchaço dos tecidos e melhoram a acuidade visual.

 

Batata-doce: produz sensação de saciedade

É originária do Haiti e foram os Espanhóis que a trouxeram para a Europa. O seu conteúdo em gordura e proteínas é menor do que a batata comum, mas muito rica em betacaroteno. Apesar do seu sabor doce, é muito benéfica em casos de obesidade, pois produz uma sensação de saciedade muito mais tempo, reduzindo o apetite. Claro que deve ser consumida com moderação. As pessoas que sofrem de muita flatulência e os diabéticos devem evitá-la ou consumi-la muito pontualmente. É um alimento muito benéfico para pessoas que fazem muito esforço físico, derivado do trabalho, desportistas ou convalescentes debilitados.

 

 

Kiwi: estimula as defesas do organismo

A sua riqueza em vitamina C é muito superior à dos citrinos, chegando a duplicar a laranja e o limão. Tem as seguintes indicações:

 

  • Estimula as defesas do organismo;
  • Ajuda em situações de anemia, pelo seu elevado conteúdo de ferro, vitamina C e cobre;
  • Reduz a absorção de colesterol e dos seus precursores no intestino, diminuindo, assim, o seu nível no sangue;
  • Ajuda em situações de prisão de ventre pela sua riqueza em fibra solúvel;
  • Aumenta a resistência à fadiga, talvez pela quantidade elevada de vitamina C e minerais.

 

__

Isabel Costa

Naturologista e palestrante

www.alquimiaalimentar.com

isacosta@netcabo.pt

 

Shares

E já agora veja também...

Pin It on Pinterest